Auto Imagem

MELHORE SUA AUTO IMAGEM COM ESTES 5 PASSOS

O sentimento de Baixa Estima pode afetar negativamente todas as partes de sua vida, mas você pode levantar sua estima a um nível saudável, mesmo que você seja um adulto com a auto-imagem negativa desde a infância.

Os cinco passos que você vai ler agora são baseados em princípios de terapia comportamental cognitiva e podem te ajudar muito a restabelecer sua confiança autoestima.

PASSO 1: IDENTIFIQUE AS CONDIÇÕES OU SITUAÇÕES QUE TE PREOCUPAM

Preste atenção e descubra as condições e situações onde você mais se preocupa ou mais te deixam com a sensação de insegurança. Freqüentemente esperamos o pior em cada uma destas ocasiões.
Seja realmente interessado em descobrir estes gargalos. Você pode estar lutando com uma mudança nas circunstâncias da vida, como a morte de um ente querido, a perda do emprego, filhos saindo de casa, o final de um relacionamento, enfim, seja qual for o motivo é MUITO IMPORTANTE que ele fique claro pra você.

PASSO 2: DESCUBRA O QUE VOCÊ PENSA DAS COISAS PREOCUPANTES

Depois de identificar as condições e situações preocupantes, perceba como se comportam seus pensamentos relacionados a eles. Fique ligado especialmente naquilo que você diz a si mesmo, aquelas coisas que você não fala com ninguém, mas que não saem das conversas mudas que acontecem dentro da sua cabeça. Seus pensamentos podem ser positivas, negativas ou neutras. Eles podem ser racional – baseada na razão ou fatos – ou irracional – baseada em falsas idéias. Aqui mora um grande perigo

PASSO 3: PONHA SUA CABEÇA PRA PENSAR A SEU FAVOR

É difícil perceber, mas quando nossos pensamentos se concentram no NEGATIVO tudo passa a ter uma atmosfera sombria. Se as coisas ficam “sombrias” eu passo a achar que nada vai melhorar e que a situação é insuperável. Esta sua condição mental pode provocar respostas físicas, emocionais e comportamentais, tais como:
 
Respostas físicas:
Tensão muscular, dor nas costas, problemas de estômago, suor ou mudanças no sono.
Respostas emocionais:
Dificuldade de concentração, sentir-se deprimido, irritado, triste, nervoso, culpado ou preocupado.
Respostas comportamentais:
Comer quando não está com fome, trabalhar mais que o habitual, obsessão sobre uma situação ou culpar os outros pelos seus problemas.

PASSO 4: DE MARGEM A DÚVIDA E CONSULTE OUTRAS PESSOAS

A primeira impressão sobre uma situação preocupante pode não ser a melhor forma de ver os fatos.
É importante ter alguém de confiança para contar nossas impressões e perguntar se o que estamos pensando é consistente ou é um devaneio
Não é fácil reconhecer quando estamos com os pensamentos confusos, além disto, a maioria das pessoas tem um jeito ‘”meio automático” de ver a vida e a si mesmo. Alguns destes modelos automáticos tendem a corroer a nossa autoestima e você deve ficar ligado se perceber alguns destes comportamentos abaixo:
 
PENSAR NAS COISAS COMO SE FOSSEM “TUDO OU NADA”.
São fases onde você passa a pensar nas coisas como se não houvesse alternativas, é tudo ou nada. Tudo para você passa a ser muito bom ou muito ruim, por exemplo, “se eu não for bem sucedido nesta tarefa eu vou ser um fracasso total”
MEDITAR NAS COISAS RUINS.
Só as coisas negativas te chamam a atenção e o pior é que você fica “meditando sobre elas”. Normalmente nesta fase as pessoas tendem a distorcer as situações e sentem medo por ambientes agravados que, na verdade, não existem: Por exemplo, “Eu cometi um erro sobre esse relatório e agora todo mundo vai achar que eu não estou fazendo este trabalho”.
TRANSFORMAR TUDO QUE É POSITIVO EM NEGATIVO.
Você rejeitar suas conquistas e outras experiências positivas, insistindo que elas não contam. Por exemplo, “eu só fui bem no teste porque era tão fácil”.
TUDO TE LEVA A CONCLUSÕES NEGATIVAS.
Você chega a uma conclusão negativa em todas as situações, independente se há ou não fundamento para isso, e o pior, você normalmente constrói justificativas que fazem te fazem acreditar piamente naquilo, por exemplo, “Meu amigo não respondeu ao meu e-mail. Eu devo ter feito algo errado e ele ficou com raiva de mim”.
VOCÊ CONFUNDE SEUS SENTIMENTOS COM OS FATOS REAIS.
Por exemplo, “Eu me sinto um fracasso, então eu devo ser um fracasso”
Não importa quão forte é um sentimento, nem sempre ele é um fato.
VOCÊ SE COLOCA PARA BAIXO:
São aquelas fases em que nos subestimamos em tudo, nos colocamos para baixo e usamos humor auto-depreciativo.
Isso quase sempre resulta em reações exageradas e nos deixa com critérios ruins para avaliar determinadas situações, por exemplo, “Eu não mereço nada melhor”

PASSO 5: É O MOMENTO DE MUDAR PENSAMENTOS E CRENÇAS

Depois que você identificou seus pensamentos negativos e imprecisos, você precisa se esforçar para substituí-los por pensamentos “saudáveis”. É nesta hora do processo que vamos encontrar formas construtivas de lidar com os problemas e dar um impulso na nossa autoestima.
Tenha paciência com você, porque leva tempo para aprender a reconhecer e substituir pensamentos perturbadores. Os pensamentos muitas vezes ocorrem espontaneamente ou automaticamente. Eles são difíceis de controlar e desativar. Pensamentos podem ser muito poderosos, mas nem sempre são baseados na lógica.
Estas estratégias podem ajudar:
 
USE DECLARAÇÕES ESPERANÇOSAS.
Mantenha em sua cabeça o compromisso do auto encorajamento. Mime-se com bondade. O pessimismo pode ser uma profecia auto-realizável, ou seja, se você acha que sua apresentação não está indo bem, você realmente pode tropeçar nela. Tente dizer algumas coisas para você mesmo, como “Mesmo que seja difícil, eu posso lidar com essa situação”
PERDOE-SE.
Todo mundo comete erros. Errar não é sua condição permanente. Numa condição normal, erros são coisas isoladas no tempo. Diga a si mesmo: “Eu cometi um erro, mas isso não faz de mim uma pessoa má e eu vou reorganizar as coisas”
EVITE EXIGÊNCIAS EXAGERADAS.
Se você achar que seus pensamentos estão muito exigentes é muito provável que você esteja certo e realmente esteja colocando exigências exageradas sobre si mesmo ou sobre os outros.
CONCENTRE-SE NO POSITIVO.
Pense sobre as partes boas de sua vida. Preste atenção nas coisas que têm corrido bem ultimamente e se pergunte: Quais as competências que tenho para me ajudar a lidar com situações difíceis.
REAJA AOS PENSAMENTOS PERTURBADORES.
Ter pensamentos negativos não significa que você deve reagir negativamente, em vez disso, você pode considerá-los como sinais para estabelecer padrões de pensamento saudável. Pergunte-se e responda sem medo: “O que posso pensar e fazer para tornar estas coisas menos estressantes?”
ENCORAJAR A SI MESMO.
Dê-se crédito a você mesmo. Arrisque fazer mudanças positivas. Diga a si mesmo: “Eu fiz um bom trabalho na apresentação. Eu posso melhorar, mas todos já disseram que estava bom”
 
Com a prática, essas etapas vão ficar cada vez mais fáceis para você.
Você será mais capaz de reconhecer os pensamentos e crenças que estão contribuindo para sua auto imagem.
Saiba que sua auto imagem pode oscilar ao longo do tempo, então vai ser bom se você revisar estes passos sempre, especialmente quando você estiver se sentindo para baixo.
Outra coisa legal é manter um registro das suas coisas e sentimentos. Esta é outra pratica que vai te deixando muito conhecedor de si mesmo.
 
Todos que conseguem ter uma visão equilibrada de si mesmo e aceitam seu próprio valor passam a ser mais tranquilos e felizes imediatamente… Passam a ser mais confiante também.
 
Esta confiança e felicidade contagiam a todos que estiverem do seu lado.
Filhos, familiares e amigos passam a usufruir da capacidade de influencia que você vai produzir.
Passadas estas coisas é muito importante que você mantenha o coração agradecido.
 
REFERÊNCIAS:
Barbara Woodward Centro de Educação. A auto-estima. Rochester, Minnesota: Fundação Mayo para Educação Médica e Pesquisa, 2006.
Construindo a auto-estima: um guia de auto-ajuda. E.U. Departamento de Saúde e Serviços Humanos, Administração de Abuso de Substâncias e Serviços de Saúde Mental. http://mentalhealth.samhsa.gov/publications/allpubs/SMA-3715/introduction.asp. Acessado em 04 maio de 2009.
Melhorando a auto-estima. Associação Nacional para a auto-estima. http://www.self-esteem-nase.org/booster.php . Acessado em 04 maio de 2009.
Creagan ET ( perito ). Mayo Clinic, Rochester, Minnesota 14 de maio, 2009.
Hall- Flavin DK (perito). Mayo Clinic, Rochester, Minnesota 14 de maio, 2009.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *