skip to Main Content
OSTEOPOROSE – A DIFICULDADE DOS OSSOS FRACOS

OSTEOPOROSE – A DIFICULDADE DOS OSSOS FRACOS

OSTEOPOROSE – A DIFICULDADE DOS OSSOS FRACOS

A osteoporose afeta boa parte das mulheres depois da menopausa.
A melhor arma contra ela são os cuidados tomados desde a juventude.

osteoporose é um dos fantasmas que assombram as mulheres na pós-menopausa. Os sintomas iniciais e mais perceptíveis são perda de altura e forte dor nas costas.

Com os ossos enfraquecidos, as vítimas da osteoporose podem sofrer fraturas graves, principalmente de costelas, quadris, punhos e espinha dorsal. Existem 200 milhões de doentes no mundo, dos quais 10 milhões estão no Brasil.
 
De cada quatro diagnósticos, três são realizados somente depois da primeira fratura, quando há muito pouco a fazer.
 
A arma mais eficaz contra a osteoporose é a prevenção. Ou seja, muito cálcio, vitamina D e ginástica moderada.
 
Essas medidas devem ser adotadas desde a juventude. Explica-se: cerca de 90% da estrutura óssea é formada até os 20 anos. Quanto mais sólido for seu processo de calcificação, menor será o risco de a doença se manifestar mais tarde. É como quem poupa dinheiro para uma aposentadoria tranquila.
 
Na verdade, a osteoporose é o acirramento de um fato natural. A partir dos 35 anos, toda mulher perde massa óssea. A perda maior ocorre nos primeiros dez anos depois da menopausa. Isso porque o organismo feminino fica sem a proteção do hormônio estrógeno, que estimula justamente a formação de massa óssea.
 
Uma perda de até 10% nesse período é considerada normal. Entre 10% e 25%, entra-se na fase da osteopenia, um estágio anterior à osteoporose em que ainda é baixo o risco de fraturas. As que sofrem da doença têm uma perda bem mais comprometedora, acima de 25%. Recomenda-se que entre 30 e 40 anos seja feito um exame de densitometria óssea, para verificar se já há indícios do problema e servir de base para comparações futuras. Máquinas de última geração conseguem medir perdas de massa óssea mínimas, de até 2%.
 

Se a propensão à doença for identificada com alguma antecedência, é possível minorar seus efeitos. O tratamento mais empregado é a reposição hormonal. A administração de hormônios sintéticos reduz os riscos de fratura em até 70%, mas se usados por muito tempo, no entanto, aumentam a probabilidade de surgimento de câncer de mama e de colo do útero. Nos últimos anos, chegaram às farmácias brasileiras drogas capazes de retardar a ação da doença. As taxas de sucesso desses medicamentos chegam a 65% e eles não apresentam os riscos dos hormônios.

SOL: banhos de sol diários ajudam o organismo a produzir a vitamina D. esta substancia retira o cálcio dos intestinos e permite a fixação nos ossos. O sol mais seguro é o de antes das 10 horas da manha ou depois das 4 da tarde. Quinze minutos diários são mais do que suficientes e não precisa ser no corpo inteiro. Rosto, braços e pernas descobertos já bastam.

 
EXERCÍCIOS FÍSICOS: a melhor atividade é a de impacto – corrida, aeróbica, musculação – o impacto estimula a renovação das células ósseas.
 
Um bom programa vai prever 30 minutos de corrida ou caminhada combinados com musculação por no mínimo três vezes por semana. Se você tiver mais de 40 anos tome cuidado com a carga. A partir desta idade há perda de massa muscular e conseqüentemente ficamos mais propensos a fatores que aumentam o risco de lesões por esforço.
 
CÁLCIO: este mineral funciona como “tijolo” para construção de ossos fortes, mesmo assim você não deve ingeri-lo em demasia porque ele impede a absorção de outros nutrientes pelo seu organismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top